Estabilizador ou filtro de linha? Veja quais são as diferenças entre esses dispositivos de proteção contra quedas de luz

Variações na corrente elétrica podem causar danos aos eletrônicos. É recomendável a utilização de um equipamento de proteção intermediário. Você sabe se vai usar um estabilizador ou filtro de linha?


Imagine estar em meio a uma jogatina ou trabalho importante e, repentinamente, ter seu progresso inteiro danificado por conta de uma queda de energia elétrica. Ainda pior: por se tratar de uma variação brusca, a queda pode ter causado problemas no seu aparelho eletrônico. 


O Brasil no momento passa por um período de escassez hidrelétrica, fazendo com que os custos de energia e também os riscos de instabilidade sejam maiores. Tanto quedas como descargas de energia podem causar enormes prejuízos para donos de TVs, monitores, home theaters, geladeiras, PCs, consoles de videogame, dentre outros dispositivos eletrônicos que precisam estar diretamente ligados à corrente elétrica para funcionar. 


Quais os possíveis danos de uma queda de luz?


Uma queda de energia brusca afeta toda a composição de um aparelho eletrônico sendo diretamente alimentado pela fonte de energia. O maior risco é o de queima total, isto é, após a queda elétrica já não é mais possível utilizá-lo. No entanto, mesmo que o dispositivo ainda consiga se conectar à rede e funcionar, problemas como desligamento inesperado esporádico e  funcionamento com falhas podem surgir. 


Por isso é recomendável ao consumidor ter consigo informações como data e horário da oscilação elétrica para buscar indenização em determinados casos. Mas também é possível proteger o seu computador, videogame ou outro aparelho eletrônico da variação da rede elétrica, a fim de evitar dores de cabeça por conta de quedas e descargas. 


Existem alguns equipamentos específicos para esta proteção no mercado, como o filtro de linha e o estabilizador – ambos são acessórios criados para impedir que surtos de tensão danifiquem equipamentos eletrônicos. Mas você sabe qual a diferença entre eles e o que cada um faz? Será que eles realmente deixam o equipamento mais seguro contra quedas e oscilações de energia?


Embora tenham funções parecidas, os dois dispositivos apresentam diferenças em termos de funcionalidades e preço, com vantagens e desvantagens para os dois lados. A seguir, você vai entender para que cada um serve e como cada um deles age na hora de defender seus eletrônicos de problemas de energia.


Filtro de linha


Os filtros de linha, também chamados popularmente de “réguas”, são dispositivos equipados com um fusível, varistores, capacitores e indutores. O objetivo é evitar a passagem de altas correntes para os aparelhos conectados. O filtro se posiciona entre a tomada da parede e a fonte do computador, por exemplo, com a responsabilidade de impedir que flutuações na corrente elétrica passem diretamente ao seu sistema.


Caso uma descarga elétrica de alta intensidade seja liberada pela linha em que seu computador está ligado, o filtro de linha “se sacrifica”. Isto é, os fusíveis – e o que mais for necessário para impedir que a carga violenta chegue ao computador e provoque danos à fonte – são queimados para evitar a passagem da corrente desajustada. 


Os fusíveis dos filtros de linha são baratos e fáceis de trocar, portanto esse dispositivo acaba sendo um acessório de segurança bastante útil. Além disso, a oferta de várias tomadas numa mesma régua torna o uso conveniente em lugares que possuem inúmeros eletrônicos: PC, TV, monitor, videogame, sistema de som, etc.


Existem diversos tipos de filtros de linha no mercado. É importante observar atentamente as características do produto e procurar por descrições como “protetor contra surtos”, incluindo detalhes sobre cuidados contra curto-circuito, sobrecargas e descargas elétricas. Isso porque é comum a venda de supostos filtros que na verdade são apenas multiplicadores de tomadas. 


Os preços dos filtros de linha variam bastante, dependendo da quantidade de tomadas, características e qualidade do material. É possível encontrar modelos de boa qualidade por preços na faixa de R$ 25 a R$ 60.


Estabilizador


Já o estabilizador é o equipamento normalmente utilizado para ligar computadores desktops (PCs) e seus periféricos, como impressoras, monitores, caixas de som e afins. A função desse dispositivo é estabilizar a tensão elétrica de entrada, de forma que a saída forneça sempre a mesma tensão. 


Como os PCs têm componentes eletrônicos muito sensíveis, o uso de um estabilizador é indispensável na proteção contra surtos de energia. De uma forma bem simples e resumida, o estabilizador funciona com um transformador interno que garante que a energia saindo em direção à fonte do seu computador é limpa de interferências e flutuações, aproximando-se o máximo possível de uma corrente alternada de 115V o tempo todo. 


A diferença para um filtro de linha é que, geralmente, o estabilizador possui um transformador capaz de converter a tensão de entrada para o valor correto usado nos computadores. Se a voltagem da residência é 220V, utiliza-se um estabilizador para passar a voltagem para 110V, por exemplo. Mas assim como um filtro de linha, o estabilizador queima fusíveis para evitar que sobrecargas estraguem os aparelhos conectados.


A faixa de preço de um bom modelo de 300 VA é de R$ 50 a R$ 100. Caso seja necessário conectar equipamentos que precisem de mais corrente para funcionar ou mais aparelhos em um único estabilizador, aconselha-se a utilização de um com, pelo menos, 600 VA, que custa, em média, a partir de R$ 180.


Mas afinal de contas, qual é o melhor?


Tanto o filtro de linha quanto o estabilizador cumprem funções parecidas no sentido de proteger os seus equipamentos das oscilações de tensão, comuns nas redes brasileiras. Entretanto, o filtro de linha tem um comportamento mais passivo: ele só é acionado para prevenir que uma sobrecarga danifique os equipamentos ligados a ele. 


Enquanto isso, o estabilizador constantemente alterna a saída de tensão para tentar garantir um suprimento de energia estável, além de impedir que surtos de tensão destruam a fonte do PC por conta de fusíveis e outros componentes posicionados para desarmar possíveis circuitos.


No final das contas, independente da sua escolha, o ideal é que você tenha algum tipo de intermediário entre a tomada e o seu computador como forma de proteção contra as oscilações de energia elétrica. Uma dica fundamental é buscar produtos que possuam selos do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), que garantem que o dispositivo foi testado em condições de uso que se assemelham àquelas presentes nas residências e escritórios brasileiros.



NOS SIGA TAMBÉM NO INSTAGRAM E FACEBOOK!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *